O que precisamos saber sobre probióticos e prebióticos

Probióticos-Prebióticos
Foto: Shutterstock

Estudos científicos comprovam que alimentos funcionais contendo prebióticos e probióticos apresentam benefícios à saúde que vão além da saúde intestinal

Probióticos

A Associação Científica Internacional de Probióticos e Prebióticos (Isapp), assim como a Organização Mundial da Saúde (OMS), definem probióticos como microrganismos vivos que, quando ingeridos, então, em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro.

Os benefícios dos probióticos, que já estão bem estabelecidos pela ciência são:

  • Ajudam a manter o equilíbrio (simbiose) da microbiota intestinal.
  • Atuam na recuperação da microbiota intestinal após diarreias e/ou uso de antibióticos.
  • Diminuem o tempo de trânsito intestinal, promovendo alívio em casos de constipação.
  • Reduzem a colonização de bactérias patógenas.
  • Ajudam na absorção de micronutrientes importantes, como minerais e vitaminas.
  • Melhoram a digestão de proteínas.
  • Melhoram a digestão da lactose em indivíduos com intolerância.
  • Atuam na redução da atividade ulcerativa deHelicobacter pylori.
  • Melhoram o metabolismo lipídico, reduzindo, então, os níveis de colesterol total com diminuição do LDL.
  • Melhoram o metabolismo glicêmico, reduzindo, portanto, a intolerância a insulina.
  • Apresentam efeitos anti-hipertensivos.
  • Estimulam o sistema imunológico.
  • Atuam na prevenção de infecções urogenitais.
  • Diminuem do risco de câncer de cólon.
  • Reduzem o risco de eczema atópico.
  • Reduzem o risco de periodontites.
  • Melhoram a saúde mental, pela redução dos sintomas de estresse e também a ansiedade.
  • Melhora da memória e do sono, entre outros.

Prebióticos

A Isaoo, em 2017 definiu prebióticos como:

Substrato que é seletivamente utilizado por microrganismos do hospedeiro, conferindo benefícios à saúde”.

Resumindo, os principais efeitos benéficos dos prebióticos à saúde, comprovados, portanto, por estudos científicos são:

  • Melhora da saúde metabólica: redução do risco de sobrepeso e obesidade; redução do risco de diabetes mellitus tipo 2; redução do risco de síndrome metabólica e dislipidemia; e diminuição da inflamação.
  • Redução da saciedade.
  • Estimulam bactérias produtoras de neuroquímicos intestinais.
  • Melhoram a absorção de cálcio e outros minerais.
  • Atuam na saúde da pele, melhorando a retenção de água e certamente a redução do eritema.
  • Atuam na redução de alergias alimentares.
  • Diminuem o risco e/ou aliviam, então, os sintomas de doenças inflamatórias intestinais.
  • Melhoras a saúde urogenital.
  • Melhoram o hábito intestinal e saúde geral do intestino.
  • Reduzem o risco e/ou sintomas de enterocolite necrosante em bebês prematuros.
  • Diminuem o risco de diarreia do viajante.
  • Diminuem o tempo de trânsito intestinal, aliviando, portanto, a constipação.
  • Melhora a função imunológica.

Para manter a microbiota intestinal equilibrada e saudável, recomenda-se, portanto, que o consumo de probióticos e prebióticos seja diário e regular.

Especialmente, então, durante e após o uso de antibióticos, que acabam, então, destruindo as bacterias que ali vivem.

Fonte: Abiad

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.